Afinal de contas, sogra é para sempre?

Quando se casam, os noivos não somente criam laços entre eles, mas também com a família do cônjuge e a sogra parece ser a figura que mais ganhou destaque nesta relação. Inclusive, existe uma data especial para ela, 28 de abril, dia em que se deve agradecê-la por ter gerado a pessoa amada. Porém, você sabia que no caso da sogra e do sogro, esse vínculo não termina nem em caso de separação? É, se você está na enorme lista das pessoas que ficam arrepiadas em pensar principalmente na versão feminina desse “parente”, fique bem ciente: a sogra é para sempre!

Nas relações familiares as pessoas estão vinculadas umas às outras por três tipos de relações: vínculo conjugal, que se faz através do casamento ou da união estável; consanguinidade, quando as pessoas descendem umas das outras; e afinidade, que aproxima cada um dos cônjuges aos parentes do outro cônjuge/companheiro.

Conforme o art. 1595 do Código Civil, “cada cônjuge ou companheiro é aliado aos parentes do outro por vínculo de afinidade”. Portanto, o casamento e a união estável dão origem ao parentesco por afinidade. E, é nessa espécie de parentesco que a sogra se encaixa.

A contagem dos graus de parentesco é feita por analogia, seguindo o determinado no caso de parentesco consanguíneo. Assim, a sogra será parente em primeiro grau em linha reta por afinidade do seu genro/nora.

Desta forma, por ser uma criação legal, o parentesco por afinidade se extinguiria quando o vínculo que o originou desaparecesse. Ocorre que, o § 2º do referido artigo, assevera que na linha reta a afinidade não se extinguirá com a dissolução do casamento.

Sendo assim, definitivamente o vínculo com a sogra não será extinto. Ou seja, sogra é para sempre.

Melissa Telles Barufi

 
      
     
     Melissa Telles Barufi
     Advogada inscrita na OAB/RS 68.643
     E-mail: melissatb@terra.com.br
     Fone: (51) 3392-0097

About The Author:

Estefania Martins" class="thumbnail thumbnail-left-small">


Nenhum comentário